11 de julho de 2018 às 20:29

Croatas já dominaram Paris e criaram símbolo da elegância francesa

Em seu túmulo no Arco do Triunfo, em Paris, Napoleão Bonaparte deve estar tremendo desde que a Croácia garantiu um lugar na final da Copa da Rússia. Em outros campos de batalha, mais antigos, os croatas já conquistaram os franceses e forjaram fama de vale

Em seu túmulo no Arco do Triunfo, em Paris, Napoleão Bonaparte deve estar tremendo desde que a Croácia garantiu um lugar na final da Copa da Rússia. Em outros campos de batalha, mais antigos, os croatas já conquistaram os franceses e forjaram fama de valentes.

Ao final da vida, depois da definitiva derrota, em 1815, o imperador francês teria dito que “com 100 mil soldados croatas teria dominado o mundo”. No domingo, talvez apenas 11 homens de chuteira façam o que Bonaparte não conseguiu. Para isso, precisam antes vencer a França.

A fé na bravura militar dos croatas já vinha de longe: no século 17, mercenários dessa nação lutavam com o exército francês. Vem daí um dos símbolos da elegância masculina, que conquistou o mundo como francês, mas na verdade é croata: a gravata.

Em seu uniforme, os soldados croatas usavam um lenço amarrado no pescoço. Os franceses se apaixonaram pelo laço “à moda croata”. Mas é muito difícil para latinos pronunciar a sucessão de consoantes típicas da língua eslava: Hrvatska (soa como “rervátisca”) é o nome do país, hrvatski é o seu povo. Na voz dos franceses, o hrvat virou cravate, que deu o português gravata. Um símbolo croata adorna diariamente o pescoço de milhões de pessoas em todo o mundo.

Apesar da fama militar, a Croácia passou toda a era moderna e chegou quase ao século 21 como parte de Estados maiores, como o Império Austro-húngaro, até 1918, e a Iugoslávia (até 1991, quando se tornou independente).

Teve um curto período de autonomia, entre 1941 e 1944, durante a Segunda Guerra Mundial. Revelou-se um dos mais brutais regimes fascistas da aliança que apoiava a Alemanha nazista. Em seus campos de concentração morreram milhares de judeus e cerca de 900 mil cidadãos de etnia sérvia.

Na época da separação, em 1991, a Croácia adotou símbolos usados por aquele regime, como o escudo e a bandeira quadriculados de vermelho e branco, causando protestos dos vizinhos: para eles é o mesmo que a Alemanha adotar a suástica de Hitler.

Foi como parte da aliança nazifascista que soldados croatas chegaram até a periferia da capital russa, no auge do conflito do início dos anos 1940. Em seu túmulo, em Moscou, também o ditador comunista Josef Stálin deve estar se revirando ao pensar que, pelo futebol, eles poderão finalmente conquistar a Moscou que heroicamente resistiu nas batalhas da Segunda Guerra.

Tudo isso faz pensar no futebol como uma metáfora da guerra. Mas como o charuto de Freud, a realidade tem mostrado que às vezes a bola é somente uma bola de futebol. Tomara que ela entre no gol de quem for pior em campo. E que tremam napoleões e stálins!

Fonte: FOLHA

comentários

Estúdio Ao Vivo